Partilhe nas Redes Sociais

“Ajudar as empresas a atingirem patamares elevados de eficiência através de inovação e tecnologia Adentis”

Publicado em 16 Junho 2021 | 510 Visualizações

Com a faturação a crescer 22% para os 5,8 milhões de euros, 2020 foi para Adentis mais do que um ano atípico, foi desafiante a nível social e económico. O número de colaboradores teve um incremento de 12% e fixou-se nos 168. Com a estrutura do Porto e no Norte a liderar o crescimento da equipa em 50% para 32 colaboradores. A faturação da região Norte foi de 932 mil euros, o equivalente a 16% do total.

Em 2021, André Gomes, diretor operacional da Adentis, admite que os objectivos que estão a ser perseguidos passam entre outros por investir mais na área de Nearshore, por criar um novo escritório central no Porto e como seria de esperar crescer a faturação em 19% e a equipa para os 200 colaboradores. Na prática, em 2021 todo o investimento pretende “ajudar as empresas a atingirem patamares elevados de eficiência através de inovação e tecnologia Adentis”, promete André Gomes.

Ntech.news – Quais os principais desafios que superaram em 2020?

André Gomes – O principal desafio está relacionado com a realidade pandémica que nos surpreendeu, pois muitos dos nossos clientes não estavam preparados a nível de infraestrutura para uma realidade de trabalho remoto, felizmente na Adentis já tínhamos essa realidade ponderada e todo o processo do nosso lado foi bastante fluído.

Nos 5,8 milhões faturados, quanto representou o negócio local e o nearshore?
A.G. – Em 2020 o negócio nearshore apesar de ser já real e efetivo, foi ainda residual, não obstante, percebemos que essa seria uma realidade de mercado ainda mais vincada para 2021, e foi nesse sentido que foi tomada a decisão de oficializar uma oferta Nearshore.

Que reforço de desenvolvimento e investimento terá a área de nearshore durante este ano 2021?
A.G. – Para 2021 existirá um reforço da nossa equipa de management, olhando exclusivamente para a realidade Nearshore e Internacional.

Como será essa nova estrutura?
A.G. – A nova estrutura estará assente no reforço da equipa de management vocacionada numa realidade internacional, tendo desde já toda a estrutura física montada para o desenvolvimento de projetos em Nearshore, olhando para países principalmente na zona Nórdica.

De que ordem é a procura no mercado internacional? Em que indicadores se baseiam para antever crescimento?
A.G. – Ao longo dos últimos anos temos sentido o crescimento pelo interesse dos mercados internacionais fixarem os seus centros tecnológicos em Lisboa e Porto, olhando para Portugal como o tech hub da Europa, o que é um indicador inequívoco da qualidade dos nossos profissionais. Essa realidade é extensível também a parceiros que procuram uma oferta de Nearshore que poderemos providenciar.

30 novos clientes

Falam em transformação dos clientes, o que querem dizer?
A.G. – A mudança principal reflete-se na transformação da mentalidade da maioria dos nossos clientes. Com o aumento dos níveis de produtividade de praticamente toda a equipa de consultant trabalhando remotamente, percebemos em conjunto, que a presença física opcional nos escritórios, traria vantagens, o que nos abre as portas a uma colaboração a nível mundial.

Que tipo de projetos surgiram mais em 2020?
A.G. – O nosso crescimento assenta transversalmente a nível de setor de negócio e tecnológico, não existindo uma concentração de setor. Não obstante, de realçar parcerias estratégicas que nasceram principalmente no setor de e-commerce e Energia.

Em que tipo de clientes?
A.G. – Transversalmente, com ligeira preponderância para o setor financeiro.

Qual foi a percentagem de new business?

A.G. – Tivemos em 2020 mais de 30 novos clientes, principalmente em setores como Energia, Segurador e Financeiro.

O que querem dizer com ajudar as empresas a atingirem patamares elevados de eficiência através de inovação e tecnologia? Que promessas são estas e com que soluções se propõem a cumpri-las?
A.G. – Sendo o nosso foco a realidade de reforço de equipa dos nossos parceiros, primamos por um processo de seleção exigente e orientado à realidade tecnológica, cumprindo as boas práticas exigidas a nível de mercado. Como oferta, orgulhamo-nos de termos tido aprovado em 2020, mais um projeto de investigação desenvolvido pela nossa área de R&D.

Como aportam diferenciação ao mercado?

A.G. – Aportamos uma diferenciação a todos os clientes que têm a mesma visão que nós a nível profissional, principalmente ao nível proximidade, dedicação, rigor e brio profissional.

Esperam-se bons ventos nacionais em 2021

Que indicadores têm de que o próximo ano será igualmente bom no mercado nacional, para sustentar o crescimento previsto?
A.G. – Os principais indicadores prendem-se com a recuperação económica sentida a nível nacional e europeu. Analisando também o crescimento realizado em tempos de pandemia, prevemos que as parcerias conquistadas ao longo de 2020 serão reforçadas em 2021.

Tirando os 50% para 32 colaboradores na região Norte, em que outras áreas se sentiu o incremento da equipa?
A.G. – O crescimento reflete-se principalmente na nossa equipa de engenharia de uma forma transversal, pois temos a vantagem de trabalhar o mercado globalmente a nível geográfico, setorial e tecnológico.

O que motivou este crescimento?
A.G. – Uma forte aposta no recrutamento e na capacidade de retenção dos nossos melhores elementos da equipa de engenharia, olhando em particular para as principais necessidades dos nossos clientes, focando na solução numa realidade que era ímpar para todos

Que tipo de perfis foram recrutados em 2020 e que novos estão em vista para este ano?

A.G. – Primamos o nosso recrutamento por uma transversalidade tecnológica, acabando por ser um espelho do mercado de IT a nível nacional. Acreditamos que o setor de desenvolvimento web continuará a ser uma grande aposta, nomeadamente tecnologias como Java, C#, Angular ou React, não obstante, sentimos um crescimento de procura também em áreas de Data Scientist e Cibersegurança, entre outras.

Em que consistem estas medidas de Smart and Remote Working? E de que forma permitem posicionar a empresa na excelência de serviço.
A.G. – A realidade de Smart and Remote Working vai permitir retirar de toda a nossa equipa o melhor de cada um. Existirá assim uma flexibilidade de decisão sobre a sua presença física no escritório, e orientações de modo a podermos garantir o espírito de equipa, mas alinhado com o equilíbrio da vida pessoal e profissional.


Publicado em:

Na Primeira Pessoa

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados