Partilhe nas Redes Sociais

PUB

Comércio eletrónico já representa 44% do PIB português

Publicado em 15 Outubro 2019 por Cristina A. Ferreira - Ntech.News | 169 Visualizações

Aproxima-se mais uma edição da Portugal Digital Week e a ACEPI (Associação da Economia Digital), que promove a semana, já começou a marcar a agenda, divulgando os primeiros dados do estudo que todos os anos mede o impacto do comércio eletrónico na economia portuguesa. 

Os dados da pesquisa «Economia e Sociedade Digital em Portugal», realizada em parceria com a IDC, mostram que o comércio eletrónico gerou um volume de negócios de 87,5 mil milhões de euros em Portugal ao longo do ano passado, representando já mais de 44% do PIB.   

Neste universo destaque para o B2B, que em conjunto com o B2G – que compreende negócios eletrónicos entre empresas e entidades públicas – gerou um volume de negócios na ordem dos 82 mil milhões de euros. 

A evolução deste indicador é uma realidade, mas como reconheceu Alexandre Fonseca, presidente da ACEPI num encontro com a imprensa, 60% das empresas portuguesas continua à margem da internet e 20% dos trabalhadores portugueses nunca usou o PC. 

75% das grandes empresas com iniciativas de transformação digital

Entre as grandes organizações, a realidade é diferente e a pesquisa apurou que 75% têm em marcha iniciativas de transformação digital, com estratégia e liderança bem definidas. Já num quinto das organizações as iniciativas em marcha continuam a ser isoladas e sem uma gestão centralizada. 

Todas as empresas com projetos de transformação digital em curso identificam barreiras à sua implementação bem-sucedida. Para a maioria, o problema está na falta dos recursos humanos adequados (64%), falta de orçamento é apontada por 62% dos gestores inquiridos e falta de prioridades bem-definidas por mais de dois quintos (41%). 

O estudo também procurou apurar os benefícios que as empresas mais esperam alcançar com estas iniciativas. Os mais apontados pelos gestores foram a inovação de produtos e serviços (74%); melhoria da relação com o cliente (56%); aumento de receitas (40%), melhor reputação (29%) ou processos de inovação mais rápidos (27%).  

As tecnologias mais implementadas no âmbito das iniciativas de transformação digital das empresas portuguesas, apurou ainda o estudo, visam as áreas da cibersegurança (em grande destaque), cloud, big data e analitica, inteligência artificial ou IoT, entre outras, por esta ordem de relevância. 

Metade dos portugueses já faz compras online 

As compras online feitas por particulares representam uma fatia mínima do comércio eletrónico em Portugal (5,5 mil milhões de euros), mas os avanços dos últimos anos são importantes. O estudo da ACEPI concluiu que em 2018 metade dos portugueses fez compras online, uma evolução que Alexandre Fonseca reconhece estar a ser fortemente impulsionada pelos sectores alimentar (com destaque para a encomenda de refeições ou bens) ou dos transportes (graças a serviços como a Uber e outros).

Uma curiosidade do mercado português em relação ao resto da Europa, que volta a destacar-se na pesquisa, está na opção por compras em sites estrangeiros, mais vincada cá que na generalidade dos países da UE. A pesquisa mostrou que em 2018, 70% dos portugueses que fizeram compras online recorreu a sites estrangeiros. Alojamento, viagens e entretenimento (bilhetes para espectáculos, por exemplo) são os artigos mais comprados. 

China lidera compras online no estrangeiro

A China é o mercado que acolhe maior volume de compras online feitas por portugueses no estrangeiro. Espanha é o segundo país preferido dos portugueses nestas andanças, que até 2017 davam a vice-liderança do ranking ao Reino Unido. 

As projeções da ACEPI para 2025 antecipam que daqui a seis anos sete milhões de portugueses farão compras online (B2C), gerando um volume de negócios de 9 mil milhões de euros. 

A Portugal Digital Week’19 arranca a 21 de outubro e além do já tradicional Dia das Compras na Net (a 25 de outubro), integra o Portugal Digital Summit’19, a ação mais importante da agenda, que este ano volta ao Pavilhão Carlos Lopes em Lisboa. 
A conferência internacional vai acolher mais de 150 oradores, que vão discutir a generalidade dos temas e tendências identificados na mais recente edição do estudo anual do comércio eletrónico, em 40 painéis de debate.    


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados