Partilhe nas Redes Sociais

Decopharma estreia Eye Peak 10 da Primavera para otimizar operação

Publicado em 19 Novembro 2018 | 175 Visualizações

A Decopharma, especialista em serviços logísticos para o sector farmacêutico, está a implementar a mais recente versão do sistema de gestão de armazéns e redes de distribuição da Primavera, o Eye Peak 10. A Inovflow é a empresa responsável pela implementação, que é a primeira com esta nova versão.

O Eye Peak 10 integra um conjunto de melhorias ao nível da navegação, que se tornou mais simples e intuitiva e também tem novas funcionalidades, como a possibilidade de fazer drill down, filtros multi-restrições e novas explorações. Abarca a gestão física e documental do fluxo de mercadorias, faz o planeamento contínuo para acompanhamento das atividades e controlo de stocks em tempo real e garante a otimização do armazém.

Em concreto, permite gerir todos os processos que vão desde a receção ou recolha de uma mercadoria até à expedição. Permite a visualização em 2D do armazém, para facilitar o desenho e a configuração de localizações, faz sugestões para o espaço ideal de armazenamento tendo em conta as dimensões do material a guardar e mantém um inventário permanente e em tempo real dos vários armazéns, só para citar alguns exemplos.

A Decopharma já usava software Primavera, decidiu manter-se com a tecnologia da software house portuguesa neste novo investimento. Em comunicado, a Inovflow explica que o projeto tem como principal objetivo renovar o WMS (Warehouse Management System) da empresa, que foi construído de raiz para atender às necessidades da Docopharma, mas que para se manter à altura – tanto ao nível da informação disponibilizada como da regulação – teve um aumento substancial do custo de manutenção e passou a exigir acompanhamento contínuo, desviando recursos do core-business.

«Necessitávamos de incorporar mais tecnologia para melhorar a produtividade, e debatíamos-nos com um WMS muito fiável, é verdade, mas já bastante antigo, em que as inovações tecnológicas eram de difícil e cara implementação», admite Miguel Faustino.

«Com a já próxima entrada em vigor do Sistema Europeu de Verificação de Medicamentos, precisávamos também por essa via, de possuir um WMS tecnologicamente avançado que permitisse a implementação deste novo procedimento», acrescenta o diretor da empresa.


Publicado em:

Projetos

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados