Partilhe nas Redes Sociais

«Esperamos integrar novas empresas tanto em Portugal como em Espanha antes do final do ano»

Santiago Solanas, CEO do grupo Primavera

Publicado em 1 Junho 2022 por Cristina A. Ferreira | 312 Visualizações

Já comprou cinco empresas em Portugal e prepara-se para novas aquisições. O grupo Primavera admite que busca a liderança do mercado ibérico e acredita que em Portugal, tal como em Espanha, continua a haver muita margem para crescer. Tanto no apoio às empresas e aos seus processos de transformação digital, como para integrar novos ativos, que enriqueçam essa oferta.   

Em Portugal, o grupo conta já com 400 colaboradores nas várias empresas que passou a integrar, onde estão a Primavera BSS, a Cloudware, ou a Eticatada. Até final do ano deverá ter mais 50. 

As marcas de cada um dos ativos adquiridos vai manter-se, mas as sinergias já estão a ser trabalhadas. Vão permitir lançar em Portugal soluções que já existem em Espanha, ou tirar partido de tecnologia que a empresa A e B já têm, para criar novas ofertas na empresa C, por exemplo. 

Ainda assim, o plano é manter as soluções de cada novo ativo no mercado, as maiores sinergias serão no campo comercial e na aceleração do ritmo da inovação, garantiu Santiago Solanas, CEO do grupo Primavera, em conversa com o Ntech.news, na entrevista que pode ler em detalhe abaixo.

Ntech.news: O Grupo Primavera já adquiriu cinco empresas portuguesas. Como é que estas empresas se vão relacionar entre si?

Santiago Solanas: Cada uma das empresas adquiridas, tanto em Portugal como em Espanha, foram cuidadosamente escolhidas porque ocupam um lugar na estratégia de crescimento do Grupo Primavera e desempenham um papel complementar com o resto das empresas já integradas. Neste sentido, as cinco empresas portuguesas, tal como as outras, beneficiam em pertencer ao maior grupo de software de gestão do mercado ibérico, o que lhes permite, por um lado, realizar vendas cruzadas trazendo mais valor aos seus clientes e acelerando a inovação e, por outro lado, ter acesso a todos esses canais de distribuição e à experiência das outras marcas. É o caso da Primavera BSS e da Eticadata, que têm canais de parceiros muito extensos. A sua incorporação no Grupo Primavera dá-lhes a oportunidade de alargar o seu alcance comercial, inclusive em Espanha.

Finalmente, as últimas aquisições em Portugal ajudaram-nos a reforçar o nosso compromisso com os escritórios de contabilidade, que é um universo estratégico para o Grupo Primavera.

Em termos de oferta comercial, existem planos para integrar soluções ou criar novas ofertas que combinem tecnologias?

Santiago Solanas: O nosso objetivo é fornecer o máximo valor aos nossos clientes e parceiros, e isto é possível graças ao conhecimento e especialização de todas as empresas do grupo. Queremos acelerar a inovação e, para tal, estamos a integrar soluções para melhorar a funcionalidade e aproveitar as oportunidades de venda cruzada. Também criámos produtos em ambientes de micro-serviço, para partilhar desenvolvimentos que podem servir vários clientes ao mesmo tempo, de modo a que apenas uma empresa invista no desenvolvimento, mas todo o grupo beneficie, tornando os nossos processos mais eficientes, enquanto comercializamos o melhor produto. Com esta integração criámos também planos e ofertas que combinam as tecnologias de duas ou mais empresas em soluções para uma terceira empresa do grupo.

«As marcas individuais continuarão, mas integradas sob o guarda-chuva do grupo Primavera. E embora as soluções não sejam absorvidas, vão adotar o look and feel do grupo»

Santiago Solanas, CEO do grupo Primavera

Em termos operacionais, a longo prazo, estas empresas continuarão a operar de forma totalmente independente, com marcas e estruturas separadas, ou tendem a convergir para sinergias? 

SS: As marcas individuais continuarão, mas integradas sob o guarda-chuva do grupo Primavera. E embora as soluções não sejam absorvidas, vão adotar o look and feel do grupo para beneficiar de maior alcance, investimento e, acima de tudo, de uma grande reputação comum, permanecendo ao mesmo tempo próximos dos seus clientes, continuando a utilizar a sua marca. As maiores sinergias serão no campo comercial e na aceleração do ritmo da inovação através da partilha de conhecimentos, tecnologia e ferramentas.

Neste universo de empresas já adquiridas em Portugal, de que ordens de grandeza estamos a falar, por exemplo, em termos de número de empregados, volume de negócios e clientes?

SS: Em termos de empregados, em Portugal temos 400 empregados e esperamos contratar mais 50 antes do final do ano, na sua maioria engenheiros de software e especialistas em experiência do cliente. A nível mundial, somos uma equipa de quase 800 pessoas em Portugal, Espanha e África. Em termos de volume de negócios, encerramos 2021 com receitas de mais de 70 milhões de euros e mais de 145.000 clientes pagantes. 

Existem planos para futuras aquisições, quais serão os critérios para novas aquisições, que áreas de competência vê como complementares à atual carteira?

SS: Sim, estamos abertos a novas aquisições, temos um extenso pipeline de aquisições e recebemos muitas manifestações de interesse, pelo que esperamos integrar novas empresas tanto em Portugal como em Espanha antes do final do ano. Procuramos paixão pelo nosso trabalho e pessoas que partilham a nossa ambição de crescer e ser líderes no mercado ibérico, profissionais que estejam a fazer bem o seu trabalho. Procuramos produtos de qualidade, inovadores e equipas responsáveis e empenhadas que partilhem a nossa forma de liderar e, acima de tudo, que queiram crescer em conjunto. A maioria das últimas integrações que fizemos reforçaram a nossa liderança em escritórios de contabilidade e consultoras, comunidades chave para o grupo Primavera, mas estamos abertos a outras áreas e sectores que complementam os nossos serviços e produtos.

«O mercado português está abaixo da média europeia em digitalização, tal como o mercado espanhol»

Em termos de negócios, quais são as maiores oportunidades que identifica neste momento no mercado português, como resultado do processo de transformação digital que as empresas têm vindo a sofrer?

SS: Acreditamos que ainda há um longo caminho a percorrer, uma vez que o mercado português está abaixo da média europeia em digitalização, tal como o mercado espanhol. Vemos também uma grande oportunidade e âmbito para a adopção de soluções de nuvem, uma vez que estas oferecem muitas vantagens tanto em termos de poupança como de custos.

Em termos de negócios, quais são as maiores oportunidades que identifica neste momento no mercado português, como resultado do processo de transformação digital que as empresas têm vindo a atravessar?

SS: Acreditamos que ainda há um longo caminho a percorrer, uma vez que o mercado português está abaixo da média europeia em digitalização, tal como o mercado espanhol. Vemos também uma grande oportunidade e um longo caminho a percorrer na adopção de soluções de nuvem, tendo em conta todas as suas vantagens tanto em termos de poupança como de facilidade de atualização, e na ajuda os clientes a adaptarem-se às mudanças legislativas, para citar algumas.

O plano de expansão do Grupo Primavera vai continuar a centrar-se sobretudo em soluções para PMEs?

SS: A atividade do Grupo Primavera centra-se em soluções concebidas para mais do que apenas PMEs, temos soluções para os trabalhadores independentes, microempresas, escritórios, consultoras, e mesmo médias e grandes empresas. De facto, somos o único ator com esta cobertura de mercado, e este tem sido um factor chave no nosso crescimento, pelo que continuaremos a pensar em como ajudar e apoiar o crescimento de todo este tecido empresarial português.

«Vamos lançar produtos do mercado português em Espanha e vice-versa, porque acreditamos firmemente que juntos crescemos mais»

Quais são as suas expectativas para este ano, em termos de resultados no mercado português?

SS: O mais importante para nós é manter o ritmo de crescimento das empresas do grupo, em termos de resultados, mas também em termos de pessoas, reforçando os nossos canais de distribuição, inovação e melhoria contínua dos nossos produtos. Além disso, vamos lançar produtos do mercado português em Espanha e vice-versa, porque acreditamos firmemente que juntos crescemos mais.

Em termos de resultados, em termos orgânicos, esperamos alcançar um volume de negócios em Portugal de mais de 40 milhões de euros, aumentando significativamente as receitas recorrentes e o peso dos nossos produtos na nuvem. Esperamos também adquirir novas empresas que expandam a nossa oferta de soluções a todos os nossos clientes.


Publicado em:

Na Primeira Pessoa

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados