Partilhe nas Redes Sociais

Ciberataque extremo pode causar perdas de 100 mil milhões de euros

Publicado em 25 Julho 2017 por Ntech.news - Ana Rita Guerra | 847 Visualizações

Lloyds ataque

Um novo estudo da seguradora britânica Lloyd’s estima que um ciberataque de larga escala poderá causar perdas superiores a 100 mil milhões de euros, superando a magnitude de um desastre natural de grandes proporções. A seguradora compara as estimativas com o rasto de destruição deixado pelo furacão Sandy nos Estados Unidos, em 2012, e conclui que o impacto económico de um ciberataque extremo seria semelhante.

O estudo, «Counting the cost: Cyber exposure decoded» parte de dois cenários possíveis: um ataque dirigido aos sistemas operativos dos computadores de diversas grandes empresas em todo o mundo; e um ataque informático malicioso capaz de incapacitar uma empresa de prestação de serviços na nuvem (a qual, por sua vez, pode alojar sistemas e dados de milhares de empresas de todos os tipos).

É neste segundo cenário que o impacto económico pode revelar-se mais destrutivo que um desastre natural. Segundo os autores do estudo, no caso de um ataque bem-sucedido a um provedor de serviços na nuvem a estimativa «pode oscilar entre os 13 mil milhões e os 100 mil milhões de euros.» No primeiro cenário, a seguradora estima perdas potenciais da ordem dos 25 mil milhões de euros. Em termos de comparação, estima-se que o super-furacão Sandy, a segunda tempestade tropical que mais prejuízos causou, tenha provocado perdas económicas entre os 40 a 60 mil milhões de euros.

Os dados deste estudo são um aviso para os custos elevados em que as empresas incorrem quando não procuram soluções de segurança integradas e multi-camada para os seus sistemas de informação, comenta Nuno Mendes, CEO da Whitehat, que em Portugal representa a ESET. «Todas as empresas a nível mundial, independentemente da sua dimensão, são alvo de tentativas diárias de intrusão», avisa o responsável.

Ainda recentemente, e no campo das ameaças perigosas, os especialistas da ESET identificaram o Industroyer como uma ameaça de segurança elevada, especialmente ao nível dos sistemas de controlo industrial.

«A par do ransomware, que acaba por ser uma ameaça de elevada visibilidade, podem existir outras que já estejam silenciosamente dentro das organizações, sem que os responsáveis se apercebam», diz ainda Nuno Mendes. «Isto pode causar elevados danos a nível financeiro e de reputação, caso ocorra alguma fuga de dados.»


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados