Partilhe nas Redes Sociais

Fordesi leva IoT aos terminais logísticos com projeto de 1 milhão de euros

Publicado em 7 Dezembro 2018 por Ana Rita Guerra | 42 Visualizações

Logística

Chama-se Sistema de Inteligência nos Terminais Logísticos, SITL IoT, e é o novo mega projeto da tecnológica portuguesa Fordesi, que tem um plano de investimentos de cerca de um milhão de euros. O propósito é agilizar processos através de inteligência e capacidade de comunicação entre dispositivos da Internet das Coisas, além da partilha seletiva de informação via serviços na nuvem.

Com promessa de disrupção nos terminais logísticos, o projeto é apoiado pelo Portugal 2020 e tem a participação do ISEL (Instituto Superior de Engenharia de Lisboa) e da UNINOVA (Instituto Desenvolvimento de Novas Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa). Tem por base tecnologias abertas e será testado com prova de conceito em ambiente real de produção num parceiro da Fordesi.

A implementação permitirá, entre outras coisas, a instalação de sensores telemáticos nos transportes de cargas, de forma a monitorizar informação operacional crítica (como condições de acondicionamento, temperatura e humidade).

Passará também a haver uma gestão integrada de fluxos de tráfego e serão implementadas portarias inteligentes non-stop via interoperabilidade externa com dispositivos móveis, por exemplo self-chek in e lista de fretes, além de desmaterialização de autorizações e identificação de veículos e motoristas com tecnologias sem contacto.

Nos sistemas de gestão de armazenagem, os sensores poderão captar informação específica, como localização, peso e temperatura, que é automaticamente processada. A ideia é que a informação de monitorização, controlo e suporte sejam reportados para suportar decisões, de forma rápida e a baixo custo.

«A operacionalização do ecossistemas de IoT proporciona benefícios e poupanças em larga escala», afirma José Tavares, responsável de operações da Fordesi. «Este projeto promove uma abordagem estruturada e aberta aos problemas de interoperabilidade dos terminais logísticos e da cadeia de transporte.» O responsável considera que as parcerias com o ISEL e a UniNova vão «garantir que o SITL IoT seja uma referência no uso de tecnologias abertas no sector da logística em Portugal.»


Publicado em:

Projetos

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados