Partilhe nas Redes Sociais

IDC Directions 2015: nova HP apresenta-se

Publicado em 22 Outubro 2015 | 355 Visualizações

Um ano depois do anúncio oficial de separação do negócio mais empresarial do de computadores e printing, e a 10 dias de efectivar a decisão na bolsa norte-americana, as “novas” HP e Hewlett-Packard Enterprise apresentaram-se no IDC Directions 2015.

José Correia, o ainda director-geral da HP Portugal – e futuro responsável máximo da HP, empresa que fica com o negócio de computadores e impressão – lembrou que não haveria melhor lugar para dar a conhecer as primeiras directrizes das futuras empresas.

Correia explicou que a divisão vai permitir que «cada uma das empresas passe a ser mais rápida a reagir aos desafios do mercado» e a responder às necessidades «dos nossos clientes» ao mesmo tempo que acelera «o processo de inovação».

José Correia aproveitou ainda para reforçar a ideia de que a nova HP surge no mercado trazendo consigo uma herança feita de «75 anos de conhecimento mas com o vigor de uma startup». Este responsável acredita ainda que «mais importante do que aquilo que a HP é hoje» acaba por ser «o que se está a construir em termos de futuro».

Correia assume que a empresa «é líder de mercado em quase todos os segmentos» nos quais actua e assim pretende «continuar».

Em termos de investimento, a HP canaliza esforço para várias áreas como a de smartmachines ou Internet of Things.

Carlos Leite, futuro responsável máximo pela Hewlett-Packard Enterprise em Portugal (que herda o negócio de hardware, infra-estrutura, software e serviços) lembrou que «as resistências à mudança nesta nova economia digital são cada vez menores e há bons exemplos de empresas que nasceram nesta nova economia e se estão a dar muito bem».

No caso da “nova” Hewlett-Packard Enterprise existem quatro grandes pilares estratégicos a ter em conta: «Transform, protect, empower e enable.» No primeiro, trata-se de proporcionar uma infra-estrutura hibrida às empresas, enquanto o segundo diz directamente respeito à protecção em matéria de vulnerabilidades. Carlos Leite lembra que «a cura sai mais cara do que a protecção em si».

O terceiro pilar surge associado à necessidade de a Hewlett-Packard Enterprise «ajudar e aconselhar as empresas na implementação das melhores práticas», enquanto o último deverá permitir «criar um ecossistema que agilize mais negócios nesta nova era digital».


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados