Partilhe nas Redes Sociais

Loja portuguesa Aptoide vence processo contra Google

Publicado em 23 Outubro 2018 por Ana Rita Guerra | 155 Visualizações

Aptoide

A Google vai ter de remover os alertas de segurança que tinha colocado no Play Protect sobre a loja Aptoide, depois do Tribunal Judicial da Comarca de Évora ter dado razão à queixa da empresa portuguesa. O sistema de proteção da Google avisava os utilizadores de que a Aptoide era uma aplicação «potencialmente maliciosa» e estava a forçar a sua remoção dos smartphones Android desde junho.

Os utilizadores que não desinstalaram a loja conforme pedido pelas notificações do Play Protect ficaram sem poder usá-la, já que a instalação de apps ficou desativada. Em causa, no aviso da Google, a  possibilidade de download de aplicações maliciosas. A startup argumenta que os seus indicadores de segurança são «excelentes» e foram comprovados por mais que uma entidade, caso da Waseda University com um relatório em setembro de 2017 e dos NTT Secure Platform Laboratories durante o workshop “Understanding the Security Management of Global Third-Party Android Marketplaces.”

«Na Aptoide, há uma contínua monitorização de aplicações potencialmente indesejadas através de um complexo sistema de verificação de segurança», garante a empresa.

Entre os danos causados por esta situação estão a perda de 2,2 milhões de utilizadores da app portuguesa nos últimos dois meses, motivo pelo qual a Aptoide vai pedir uma indemnização à Google por via judicial.

«Para nós, esta é uma vitória importante para nivelar o mercado das app stores», disse o CEO da startup, Paulo Trezentos, em reação à decisão do tribunal. «Esperamos sinceramente que esta decisão possa ajudar outras startups a defenderem a inovação e a livre competição, independentemente da dimensão dos players concorrentes», acrescentou.

A batalha da Aptoide contra a Google tem também uma vertente europeia, já que a startup apresentou queixa à UE em julho devido a «práticas de concorrência desleal» relacionadas com o Play Protect.

Álvaro Pinto, cofundador e diretor de operações da empresa, garante que a segurança é levada «muito a sério» e monitorizada por uma equipa de especialistas com recurso a tecnologias de última geração. «Os utilizadores da Aptoide podem confiar quando dizemos que estamos mais seguros do que nunca.»

A startup estima crescer para 250 milhões de utilizadores únicos este ano, um salto importante em relação aos cerca de 140 milhões de utilizadores únicos anuais em 2017.


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados