Partilhe nas Redes Sociais

Clientes não residenciais representam 27,4% dos subscritores de serviços de comunicações 

Publicado em 5 Agosto 2022 | 19 Visualizações

No final do ano passado o mercado não residencial de comunicações eletrónicas era representado por 1,3 milhões de acessos de telefone fixo, 668 mil acessos de Internet fixa, 568 mil clientes de redes de alta velocidade e 471 mil acessos de TV por subscrição. No total os clientes não residenciais de serviços de telecomunicações, onde se incluem os clientes empresariais, representavam 27,4% dos subscritores desses serviços.  

Os dados foram apurados pela Anacom e também mostram que neste mercado atuavam 79 prestadores. Os mais relevantes eram a Meo, a Nos e a Vodafone, operadores que cobrem todos os segmentos, mas existiam também 49 prestadores de serviços a trabalhar em exclusivo com o mercado empresarial. Nesse universo, o destaque vai para a Onitelecom, Dialoga, BLU, AR Telecom, Colt Telecom e Vonage.

A MEO detinha, em dezembro de 2021, a quota de assinantes não residenciais mais elevada na voz fixa, com 54,1% dos clientes do segmento. Somava ainda 49,7% dos clientes de internet fixa, 49,7% dos clientes não residenciais de televisão por subscrição, 52,7% dos clientes de serviços de telefone fixo e 38,5% dos clientes de serviços móveis.

A NOS é o segundo operador, no que se refere à quota dos serviços de televisão 29,3% e no serviço telefónico fixo (24,6%). A mesma posição era ocupada pela Vodafone nos serviços móveis e na banda larga fixa, com quotas de 37,2% e 26,5%, respetivamente. 

A análise da Anacom permitiu também apurar que a generalidade das ofertas não residenciais são semelhantes àquelas que existem para os consumidores, com exceção da banda larga fixa, em que a velocidade máxima de download oferecida é de 1 Gbps, quando no segmento residencial é de 1 GB. 

No universo de clientes não residenciais 14,7% dos clientes usam redes de alta velocidade e 12,5% serviços em pacote. Já os acessos móveis através de PC, tablet ou router representam mais de metade do total. 


Publicado em:

Mobilidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados