Partilhe nas Redes Sociais

Não é só a pandemia que ameaça os profissionais de saúde

Luís Polo, diretor comercial da Dynabook Portugal e Espanha

Publicado em 23 Outubro 2020 | 276 Visualizações

O rápido desenvolvimento das tecnologias digitais tem motivado o crescimento e a necessidade por trabalhadores remotos e em movimento. Antes da pandemia da COVID-19, previa-se que o número de trabalhadores remotos fosse aumentar para 1.87 mil milhões em 2022, representando 42.5% da força de trabalho global – a mudança temporária para regimes de trabalho remoto a que muitas empresas foram obrigadas acelerará certamente esta tendência. O mesmo se passa na saúde, prevendo-se que o mercado global de soluções móveis de saúde cresça 25% por ano e que em 2025 valha 81 milhões de dólares.

A omnipresença do mobile fez com que a maioria das organizações de saúde definissem uma estratégia específica para este tipo de formato. Contudo, a natureza acelerada da inovação tecnológica, em combinação com a explosão de tráfego de dados que se tem verificado, implica que estas estratégias tenham de ser constantemente revistas no sentido de atender aos desafios de segurança enfrentados pela força de trabalho remota.

A crescente utilização de dispositivos móveis facilitou o acesso a informação do paciente, melhorando o fluxo de trabalho. Mas nem tudo são vantagens. Trabalhar a partir do mobile cria uma larga infraestrutura de dispositivos que tem de ser gerida.É importante que os profissionais de saúde ligados à IT estejam cientes dos riscos desta mudança. A área da saúde é uma significante produtora de dados, sejam estes expressos em relatórios de pacientes ou, mais recentemente, informações sobre dispositivos de monitorização IoT. Esta quantidade de dados em constante crescimento confere aos cibercriminosos uma boa oportunidade para atacar.

As organizações de saúde podem mitigar esta ameaça através do investimento em recursos humanos e em dispositivos. De acordo com uma pesquisa recente feita com leitores da Health Business, apenas 18% dos profissionais de saúde disseram ter da sua empresa alguma formação em segurança de dados, enquanto 12% afirmam que a formação não é obrigatória e a adesão é fraca.

Com os ciberataques a aumentar em mais de 350% anualmente, é imperativo que se priorize a formação direcionada para práticas de cibersegurança. Esta é uma questão particularmente urgente, especialmente a meio do stress e confusão despoletadas pela pandemia, com 80% dessas ameaças a utilizar o vírus como tema das suas mensagens

Proteger a força de trabalho móvel depende também da obtenção de segurança ao nível do dispositivo. Trabalhadores de terreno devem estar equipados com dispositivos robustos que os possam proteger contra riscos cibernéticos. Por exemplo, dispositivos com funcionalidades biométricas avançadas e capacidades de armazenamento de credenciais baseadas em hardware permitem uma maior proteção contra o roubo de passwords ou de acesso.

Nesta era de rápida inovação, soluções como estas podem adquirir um valor inestimável para os profissionais de saúde, nomeadamente na criação de estratégias progressivas de segurança móvel. Com tecnologias como o 5G e a IoT a tornarem-se cada vez mais comuns, os desafios de segurança vão crescer. Alcançar o equilíbrio entre mobilidade, segurança e produtividade é crucial para todas as organizações. 


Publicado em:

Opinião

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados