Partilhe nas Redes Sociais

PUB

O papel do CIO está a evoluir

Neuza Alcobio, marketing & communications director na Cilnet, a Logicalis Company

Publicado em 5 Março 2020 | 490 Visualizações

Estamos atualmente a passar por uma mudança significativa no que toca à transformação do panorama empresarial, à medida que as tecnologias digitais reconstroem não só as operações e processos dos negócios, mas também redefinem o papel dos intervenientes nos mesmos.

Hoje em dia o CIO não é simplesmente a pessoa que mantém o budget de IT “controlado” e faz a gestão corrente do parque tecnológico, mas sim (e cada vez mais) alguém proeminente para o pensamento estratégico do negócio. Isto porque o maior desafio das empresas em tempos de transformação digital reside em saber: o que mudar, o porquê da mudança e quando fazê-lo, assegurando continuidade e agilidade no negócio, para que este esteja habilitado a “mutar” de forma rápida, se assim for necessário.

Os CIO’s assumem progressivamente a liderança dos seus departamentos olhando para além da tecnologia e também para as necessidades estratégicas das suas organizações, pois os boards reconhecem e esperam cada vez mais desta função o “push” para a inovação, para a introdução de novos produtos/serviços, para o aumento das receitas e para a melhoria da experiência dos consumidores.

Aliás os próprios KPI’s pelos quais a função é medida são um reflexo desta mudança de paradigma, com cada vez mais CIO’s a serem avaliados com base na sua contribuição para o revenue das organizações.  

A análise cuidada do impacto da tecnologia no negócio e a cooperação com a liderança executiva serão fundamentais para garantir que o CIO terá sucesso na missão de posicionar e facilitar a transformação digital.

É, contudo, normal que com o aumento das necessidades de proficiência no que toca à visão de negócio, juntando as pressões da execução da estratégia digital, da ciber-segurança, da conformidade com a legislação, da continuidade dos negócios, da inovação, etc…, que os CIO’s sintam pressões e exigências (em alguns casos até contraditórias) e que possam quiçá evidenciar menores níveis de satisfação profissional. 

Uma vez que a tecnologia e a correta interpretação dos dados que as organizações recolhem são cruciais para desbloquear eficiências e vantagem competitiva, transformando-as verdadeiramente do ponto de vista digital; é imprescindível garantir que este processo evolutivo ocorre de forma colaborativa entre o IT, os restantes departamentos e as administrações (se possível, tentado dotar o CIO dos recursos necessários para responder prontamente aos desafios e estratégias delineadas).   

A análise cuidada do impacto da tecnologia no negócio e a cooperação com a liderança executiva serão fundamentais para garantir que o CIO terá sucesso na missão de posicionar e facilitar a transformação digital. E são exatamente estes pontos que devem ser alvo de reflexão pelos executivos.

Do lado do CIO e para que melhore as hipóteses de ter sucesso, na nova amplitude das suas funções, fica também a tarefa de aprofundar o conhecimento do seu setor e do target, pois no final do dia toda a inovação serve o propósito de melhorar as experiências dos clientes.


Publicado em:

Opinião

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados