Partilhe nas Redes Sociais

O que nos reserva 2016 na análise da informação?

Publicado em 17 Dezembro 2015 | 908 Visualizações

«Os próximos doze meses trarão consigo, indubitavelmente, avanços no campo do big data, enquanto a analytics e as aplicações operacionais continuam o seu processo de maturação. Além disso, a cloud continuará sendo consagrada à medida que surjam ferramentas mais qualificadas à sua volta», assinala a Information Builders em comunicado.

 

A empresa antecipa um 2016 marcado pelo surgimento do PDF 2.0, pelo marketing de persuasão e pela evolução do self-service:

 

 

O surgimento do PDF 2.0

O PDF é um tipo de arquivo garantido e onipresente, e assim como a Web 2.0 causou uma revolução no uso da Internet, o PDF 2.0 representará um antes e um depois no que se refere ao uso e tratamento dos documentos digitais. A próxima geração do PDF trará consigo um novo leque de possibilidades no que concerne à analytics interativa, que permitirá ao utilizador analisar o estado das suas contas e lhe ajudará a conhecer melhor a sua saúde financeira. Como consequência, emergirá uma florescente cultura analítica, não apenas nas organizações como também entre os indivíduos. O PDF, como o conhecemos hoje em dia, dará lugar ao ADF (Analytical Document Format).

 

O fenómeno do marketing de persuasão

O universo das redes sociais dará lugar ao fenómeno do marketing de persuasão, no qual os retailers tratarão de seduzir os seus clientes para tomar decisões de compra em tempo real. Os consumidores, especialmente os oriundos das gerações mais jovens, normalmente procuram as opiniões dos seus amigos antes de comprar. Para muitos deles, comprar é um ato social, e é por isso que a próxima onda do marketing centrará os seus esforços em capacitar o consumidor para conseguir o feedback dos seus conhecidos (“peers”), sem necessidade de lhes telefonar ou de se encontrarem com eles na loja.

 

A evolução do self-service

Durante o próximo ano, o self-service analytics já não estará só ao alcance dos seus utilizadores habituais, os analistas, mas também de muitos outros tipos de trabalhadores, e não através de ferramentas tradicionais, mas de aplicações. Assim como a caixa automática que evoluiu de uma mera máquina dispensadora de dinheiro até um terminal completo de gestão de contas e transações, a tecnologia de análise de informações se transformará para se encaminhar para um processo de democratização em termos de uso.


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados