Partilhe nas Redes Sociais

Paddy Cosgrave deixa balanço positivo da Web Summit 2017

Publicado em 9 Novembro 2017 | 488 Visualizações

«Tem sido absolutamente fantástico». O balanço com sinal claramente positivo foi deixado por Paddy Cosgrave, mentor da Web Summit que, no último dos 3 dias de evento revelou ainda alguns números: «Tivemos mais de 59 mil assistentes de cerca de meia centena de países.»

Cosgrave chamou também a atenção para os «muitos e bons speakers» que a Summit recebeu sendo que destes 35% são mulheres que, de resto, representam ainda mais de 40% da assistência.

No que a participações internacionais diz respeito, o Reino Unido continua a ser a delegação com maior peso na Web Summit, mas Paddy Cosgrave acredita que essa é uma realidade que pode mudar: «A incerteza do Brexit pode puxar para os primeiros lugares países como a Alemanha e França que, hoje em dia, contam já com importantes participações.»

Do continente africano, o país mais representativo foi a África do Sul, mas Cosgrave falou ainda em delegações «muito interessante» de Angola ou Moçambique».

O mentor da Web Summit aproveitou para destacar o «enorme apoio» de Portugal à organização «de um evento com estas dimensões e que reúne vários líderes mundiais». Na realidade «desde o presidente da Câmara Municipal de Lisboa ao primeiro-ministro e todas as entidades envolvidas têm sido sensacionais». Mas a pergunta que ficou no ar, sem resposta, diz respeito à continuação da Summit no nosso país por mais alguns anos.

Paddy Cosgrave limitou-se a dizer: «Não faço planos nas próximas 12 horas.» De qualquer forma, este responsável lembra que Lisboa tem ainda muito espaço por onde a Web Summit pode crescer «com vários pontos bem preparados para receber eventos durante a semana» da conferência. Motivo pelo qual, no próximo ano, «será muito provável que se explorem esses espaços com apresentações específicas».

Uma das novidades da próxima edição poderá passar por um palco específico dedicado à temática das criptomoedas já que «este é um tema que assume cada vez mais peso na Summit e que tem despertado muita curiosidade».

Tida pelas startups como um espaço privilegiado para o networking e a procura de apoios ou financiamentos, Paddy Cosgrave lembrou que a taxa de sucesso das startups presentes na Web Summit «é superior à média global», mas, ainda assim, «é sempre uma taxa muito pequena em relação ao número elevado de startups que surgem aqui a apresentar as suas ideias». Mas isso, diz ainda o mentor do evento, «é o rumo normal dos negócios; em 1000 ideias talvez só duas ou três alcancem o sucesso».

Confrontado com as fortes críticas que têm sido feitas à Web Summit, nomeadamente pelo elevado preço dos bilhetes, Paddy Cosgrave optou por desvalorizar os comentários: «Estamos numa sociedade democrática e todos têm direito a exprimir a sua opinião.»


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados