Partilhe nas Redes Sociais

Startup britânica vai contratar em Portugal

Publicado em 29 Agosto 2017 por Ana Rita Guerra | 634 Visualizações

A consultora britânica Marionete, que tem um cofundador português, vai começar um processo de recrutamento em território nacional. Segundo explica ao Ntech.news, a ideia é contratar para o escritório de Lisboa mas olhando para projetos internacionais. Em 2017, o negócio em Portugal já deverá pesar 10% no total de receitas da empresa.

«Procuramos candidatos com formação forte em algumas áreas, como a matemática (pode ser engenharia ou não), experiência prévia em consultoria e um value added, quer sejam recém-licenciados ou pessoas com experiência, desde que tenham conhecimento ou potencial e motivação», avança o cofundador e diretor de tecnologia, Raul Coutinho Garrido. A startup, que tem escritórios em Portugal, concentra-se em áreas inovadoras – Big Data, Internet das Coisas, Blockchain, DevOps e Data Science. O que a especialista procura são pessoas com experiência no mercado de trabalho nas áreas ‘core’ e que gostem do ambiente de uma consultora. O principal foco da Marionete é a monitorização de dados e o seu uso para impulsionar o crescimento das empresas.

Neste momento, a intenção é contratar oito pessoas num processo que arranca em setembro. «As contratações são para o escritório de Lisboa. Mas o facto de serem projetos internacionais pode significar ou não deslocação ao estrangeiro pois, nalguns casos, trabalham remotamente a partir de Lisboa, noutros casos deslocam-se as instalações do cliente», detalha o responsável. Garrido fundou a startup em conjunto com Adrian Gumbley há dois anos, com sede em Londres. O escritório de Lisboa abriu no ano passado e tem 25 funcionários, sendo que estas contratações são fruto do aumento do negócio da empresa no seu geral. «Os nossos mercados base são Londres e Lisboa, mas isso não nos impede ter projetos noutros continentes como a América Latina ou a Ásia», refere o diretor de tecnologia. «A nossa atuação é mundial, mesmo ao nível da formação. Alguns dos formandos que tivemos vieram do Médio Oriente».

As áreas core da Marionete são relativamente recentes no mercado nacional, mas Garrido garante que começa a haver «projetos muito interessantes nestas áreas em Portugal». A startup está a trabalhar em vários projetos internacionais, especialmente em open source, e tem contratos nas áreas de saúde e mercado de seguradoras com base em tecnologias IoT e Blockchain.

«O nosso foco são as três áreas de devops, big data e data science, baseados em tecnologias muito recentes e emergentes. É esse o futuro», salienta Garrido.

Os interessados no processo de recrutamento poderão informar-se no site da Marionete, onde também estão detalhes sobre as vantagens de trabalhar na consultora – por exemplo, acesso ilimitado ao Safaribooks Online, à Cloud Academy ou à Linux Academy.


Publicado em:

Startups

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados