Partilhe nas Redes Sociais

Uma em cada sete empresas foram vítimas de ataques críticos em 2021

Publicado em 2 Junho 2022 | 65 Visualizações

Os dados foram extraídos do serviço de Managed Detection and Response da Kaspersky e revelam que entre 2020 e 2021, o número de ataques críticos a empresas cresceu significativamente. Há dois anos, em média, uma em cada 10 empresas eram vítimas deste tipo de ataques. No ano passado essa proporção passou para uma em cada sete, a nível global.  

A explicar este crescimento, defende a Kaspersky, estão diferentes fatores, com destaque para uma combinação de infraestruturas cada vez mais complexas, falta de profissionais qualificados, mas também a crescente sofisticação dos ataques, fatores que dificultam o trabalho das equipas de cibersegurança na identificação de atividades suspeitas. 

Na análise a vários eventos deste tipo em empresas clientes, a Kaspersky concluiu que os ataques visaram negócios dos mais diversos sectores e que a maioria das empresas foi alvo de diferentes ataques. Ainda assim, e no que se refere aos sectores mais afetados, a empresa de segurança sublinha que governos, indústria, empresas de TI e da área financeira foram as mais castigadas por ataques de origem humana. 

«Os incidentes de maior gravidade distinguem-se por uma ampla utilização de binários living-off-the-land (LotL), de natureza não maliciosa, que já estão disponíveis num sistema específico», diz a Kaspersky. «Estas ferramentas permitem aos cibercriminosos esconder a sua atividade e minimizar as hipóteses de serem detetados durante as primeiras fases de um ataque», explica ainda a companhia. 

A maior parte dos ataques foram direcionados, cerca de 40%. Em menor escala (14% e 13%) verificaram-se também ataques provocados por malware que acabou por ter um impacto crítico, ou pela exploração de vulnerabilidades críticas expostas publicamente. Os ataques resultantes de esquemas de engenharia social continuam a ser bem-sucedidos, ainda que de forma menos expressiva. Em 2021, e na amostra da pesquisa, representaram 5.5%. 


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados