Partilhe nas Redes Sociais

NOVA SBE junta 60 startups no ecossistema de inovação de Carcavelos

Publicado em 24 Novembro 2021 | 69 Visualizações

A NOVA School of Business and Economics anunciou a abertura oficial do Nova SBE Innovation Ecosystem, no campus de Carcavelos, uma estrutura que reúne centros de investigação aplicada, professores, alunos, startups, empresas e outros players, para encontrar soluções inovadoras que criem impacto na sociedade. 

O espaço, que já acolhe vários projetos de investigação e que ganhou agora uma nova estrutura organizativa, integra já mais de 60 startups e pretende posicionar-se como um acelerador de processos de inovação e fomentar lógicas de cocriação. A ideia é juntar diferentes interlocutores neste ecossistema, aproximando academia e empresas e alocando alunos para o desenvolvimento dos projetos específicos das empresas. 

«O Nova SBE Innovation Ecosystem acolhe equipas residentes de inovação, de empresas nacionais e internacionais no campus de Carcavelos e proporciona a incubação e desenvolvimento de negócios de startups», explica-se na nota que divulga o lançamento oficial.

A estrutura vai operar em torno de vários círculos de inovação, que já estão definidos:  Financial Services & Sustainable Finance; Smart Cities & Communities; Health & Well Being; Space, Green & Blue Economy; e Hospitality & Customer Journey.

Estes círculos de inovação estão alinhados em três espaços. O NOVA SBE Innovation  Ecosystem, que se desdobra noutros três, dedicados à transformação das organizações de forma colaborativa e experimental e à gestão de dados. 

Os outros dois espaços estão focados em projetos associados à incubação e aceleração precoce de startups lançadas por alunos da universidade e à inovação no sector da hospitalidade, dos serviços e do turismo.

Estão também já pensados diferentes programas e iniciativas para estimular a inovação, nas diferentes áreas de ação que o ecossistema se propõe cobrir. Entre elas, hackathons, design thinking bootcamps, programas de aceleração para startups disruptivas, ou desenvolvimento de projetos com alunos, ao estilo field labs e consulting labs. 

Há também já um conjunto de empresas parceiras do projeto: Grupo Ageas Portugal, CEiiA, CyberGym, INCM Lab, Morais Leitão, Oceano Fresco, Schréder e SIBS. 


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados