Partilhe nas Redes Sociais

Será demasiado “aborrecido” para ser vítima de cibercrime?

Publicado em 7 Agosto 2020 | 218 Visualizações

Cibersegurança

A segurança online está no topo da lista como o fator mais importante para os millennials no momento de encontrarem a sua “zona de conforto digital” em casa. No entanto, de acordo com um novo estudo feito pela Kaspersky, mais de um terço (37%) considera-se demasiado “aborrecido” para ser vítima de um cibercrime.

O último relatório global da Kaspersky «More Connected Than Ever Before: How We Build Our Digital Comfort Zones» revela como é que estamos a mudar os nossos hábitos, de forma a garantir que nos sentimos confortáveis com o papel que a tecnologia tem nas nossas vidas.

E, embora os millennials encarem como uma prioridade reforçar a sua segurança online, a verdade é que os seus comportamentos «revelam o contrário».

Diz a Kaspersky que muitos deles se acham «demasiado “mundanos” ou “aborrecidos” para chamarem à atenção de cibercriminosos», sendo que 36% afirmam que, no entanto, sabem que «deveriam tomar mais medidas para reforçar a sua segurança online». Ainda assim, acabam sempre por deixar esta tarefa «para o fim da lista».

Uma vez que o “novo normal” levou a que muitos começassem a trabalhar a partir de casa, este espaço acabou por se tornar no “hub” tecnológico dos millennials.

Com o novo contexto, passaram a despender online mais cerca de duas horas (1.8) todos os dias, em comparação com o início do ano «acabando por fazer crescer a sua média diária de horas despendidas online para 7.1 horas».

Embora quase metade (49%) refira que este aumento do tempo despendido online os tornou «mais atentos à sua segurança digital», os millennials estão a passar mais tempo nas suas redes sociais «e mais de dois terços (61%) revelou, inclusive, que o crescimento dos encontros online a partir de casa é uma das suas principais preocupações no que toca à sua segurança digital».

Para dar resposta às suas preocupações, cerca de metade (52%) dos millennials afirma que só utilizam apps de confiança nos seus dispositivos, descarregadas a partir de lojas oficiais como a Apple Store ou a Google Play, e 49% dos mesmos, para ficarem protegidos, chegam mesmo a realizar frequentemente análises em cada um dos seus dispositivos com o seu programa de antivírus.

Por outro lado, 13% admitiu ter usado a rede Wi-Fi dos seus vizinhos sem o seu consentimento.

«2020 tem sido um ano decisivo para o digital nas nossas casas. Com muitos de nós em confinamento por todo o mundo, a interação e a forma como dependemos da tecnologia aumentou drasticamente», recordou Andrew Winton, vice-presidente de Marketing da Kaspersky.

«Não nos surpreende que os millennials, que irão moldar a forma como a sociedade utiliza a tecnologia nos próximos anos, estejam a preocupar-se cada vez mais com a segurança digital – principalmente quando a linha entre o trabalho e a vida pessoal em casa se está a tornar cada vez mais ténue», disse ainda o mesmo responsável.

Por seu lado, Berta Aznar Martínez, psicólogo na Universidade Ramon Llull em Barcelona lembra que «os millennials são nativos digitais e isto pode levar a outros desafios para esta geração, no que respeita a encontrar a sua zona de conforto digital». O facto de muitos partilharem um alojamento com outras pessoas «faz com que se sintam digitalmente inseguros, especialmente no início desta partilha. Para além disso, a tendência desta geração em mudar frequentemente de casa e trabalho pode acentuar ainda mais este sentimento».

A psicóloga considere que, «nestes casos, é importante falar abertamente sobre todos estes receios com os companheiros de casa: partilhar custos de um software de segurança, estabelecer regras específicas para a utilização comum de dispositivos e para se ficarem a conhecer melhor».


Publicado em:

Mobilidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados