Partilhe nas Redes Sociais

Investimento em segurança para IoT dispara

Publicado em 27 Março 2018 por Ana Rita Guerra, em Las Vegas | 264 Visualizações

O aumento dos ataques baseados em dispositivos da Internet das Coisas vai levar a um crescimento substancial dos investimentos das empresas em segurança em 2018. De acordo com a consultora Gartner, a previsão é de que os gastos subam 28% para 1,5 mil milhões de dólares este ano.

“Nas iniciativas IoT, muitas vezes as organizações não têm controlo sobre a fonte e natureza do software e hardware utilizados pelos dispositivos conectados”, explica Ruggero Contu, diretor de pesquisa na Gartner. “Esperamos assistir a uma procura por ferramentas e serviços virados para a melhoria da descoberta e gestão de ativos, monitorização de segurança de software e hardware, e testes de penetração”, revela o analista. Além disso, as empresas vão começar a olhar mais para as implicações da externalização da conectividade da rede.

Tudo contabilizado, até 2021 os investimentos em segurança IoT deverão atingir os 3,1 mil milhões de dólares. A Gartner refere ainda que, nos últimos três anos, quase 20% das organizações sofreram pelo menos um ataque baseado em IoT, de acordo com uma pesquisa da CEB, que pertence ao grupo da consultora.

O que pode impedir estratégias de segurança

Apesar do crescimento, a Gartner identifica algumas questões que poderão servir como obstáculos a gastos mais focados em segurança IoT. Acontecerá nas empresas que falhem em dar prioridade à implementação de melhores práticas e ferramentas aquando do planeamento inicial de um projeto IoT.

“Embora a segurança IoT seja constantemente referida como uma preocupação dominante, a maioria das implementações são pleaneadas e operadas ao nível da unidade de negócio, em cooperação com alguns departmentos de TI para garantir que as porções de TI afetadas pelos dispositivos são endereçadas”, analisa Ruggero Contu. “Todavia, a coordenação via arquitetura comum ou uma estratégia de segurança consistente estão ausentes, e a seleção de fornecedores e serviços continua a ser ad hoc, baseada nas alianças dos fornecedores com os parceiros ou o sistema core que os dispositivos vão complementar ou substituir.”

 

No fundo, há uma ausência de padrões de segurança por defeito, o que também se deve à falta de regulações adequadas. A Gartner prevê que isto vai mudar nalgumas indústrias, como a automóvel e de saúde, e que os quadros regulatórios se tornem nos principais impulsionadores de políticas de segurança IoT.


Publicado em:

Negócios

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados