Partilhe nas Redes Sociais

Setor da saúde ganha com a IoT

Publicado em 14 Setembro 2017 por Ana Rita Guerra | 714 Visualizações

A aplicação de soluções da Internet das Coisas (IoT) na área da saúde leva a uma melhoria do tratamento dos doentes e à poupança de «milhares de milhões de euros», de acordo com um novo white paper desenvolvido pela Vodafone. O grupo de telecomunicações colaborou com o professor de saúde pública na Universidade de Liège (Bélgica), Bernard Vrijens, para desenvolver este trabalho.

De acordo com o white paper, introduzir dispositivos inteligentes ligados à nuvem no sector da saúde poderá gerar serviços mais eficazes e incentivar os doentes a seguirem os programas de tratamento de forma mais rigorosa – incentivados pela personalização das informações relativas às suas terapias. Este é um problema crónico com que os médicos têm de lidar: a taxa de cumprimento dos tratamentos, principalmente em caso de doenças prolongadas como a hipertensão, o cancro e o VIH, é de apenas 50%, segundo os números da Organização Mundial de Saúde. Ou seja, metade dos pacientes não segue as instruções médicas até ao fim, o que diminui de forma drástica as hipóteses de recuperação. O que o white paper da Vodafone defende é que a IoT permite optar por abordagens mais eficazes. Ao encorajar os doentes a seguirem o tratamento até ao fim, o potencial de poupança é de 242 mil milhões de euros em despesas médicas anuais, só nos Estados Unidos da América.

Bernard Vrijens refere que os prestadores de serviços de saúde monitorizam quatro sinais vitais: a temperatura do corpo, a pulsação, a respiração e a tensão arterial. «A Internet das Coisas significa que, em breve, poderão medir de forma rigorosa um quinto sinal – a taxa de cumprimento dos tratamentos”, indica o professor de saúde pública. “Acredito que a importância da conectividade tanto nos dispositivos médicos como no envolvimento do doente não pode ser subestimada. Encontramo-nos num momento decisivo do percurso rumo a cuidados de saúde mais individualizados».

O estudo indica que as soluções IoT aplicadas ao sector da saúde podem beneficiar os doentes, os profissionais de saúde, as empresas de equipamentos médicos e os utentes que pagam um serviço de saúde. «Estas soluções podem conduzir a uma maior autonomia dos doentes, a uma melhoria dos tratamentos, ao desenvolvimento de medicamentos mais eficazes e, em última análise, a uma redução dos gastos em saúde», diz a Vodafone. As conclusões do white paper podem ser lidas neste link.

“Isto é um excelente exemplo de como a Internet das Coisas tem o potencial de ajudar as pessoas a terem vidas mais saudáveis e acesso a tratamentos médicos mais eficazes”, destaca Erik Brenneis, diretor de IoT da Vodafone. “Esperamos que, muito em breve, a visão e a criatividade de pessoas como o Professor Vrijens se tornem realidade com a IoT. Acreditamos estar no limiar de uma mudança significativa na forma como as doenças crónicas são geridas.”

 


Publicado em:

Atualidade

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados