Partilhe nas Redes Sociais

2019: Um ano de grandes colheitas para a Primavera

Publicado em 1 Setembro 2020 por Ntech.news- Luísa Dâmaso | 258 Visualizações

«2019 foi um ano, a todos os títulos, excecional pois não só nos permitiu crescer de forma significativa como também nos permitiu concretizar o nosso plano estratégico que tem como principais alavanca o lançamento do ERP Inteligente para a cloud e a conversão do negócio para modelos SaaS com o objetivo de reforçarmos a liderança nos mercados onde atuamos e crescermos bem», garante Jorge Batista, cofundador e co-CEO da Primavera BSS. E é desta forma que dá conta dos resultados obtidos durante aquele que foi o seu 26º ano de existência e «um dos melhores anos de sempre da Primavera BSS».

A multinacional reporta um volume de negócios de cerca de 30 milhões de euros, o que se traduz num crescimento de 20% face ao ano anterior, com o EBITDA a crescer 51% para os 5 milhões de euros. O número de colaboradores aumentou e o grupo conquistou 5000 novos clientes, nas várias geografias em que está presente. Enquanto palco principal de atividade, Portugal representou 65% do negócio efetuado, sendo os restantes 35% distribuídos por ordem de importância pelos mercados de Angola (que duplicou), Moçambique, Cabo-verde e Espanha. Tirando partido da presença continuada de mais de 20 anos no mercado angolano, e por mais uma vez ter estado na primeira linha de resposta às novas exigências fiscais e legais, a empresa viu aumentado o seu posicionamento de referência neste mercado.

No último ano, o ecossistema Primavera tem estado também focado em fazer o upgrade de parque instalado para a versão 10 do ERP, já efetuado por cerca de 3000 empresas utilizadoras da marca. O software de gestão inteligente e a faturação online Jasmin também mantém o ritmo de adesão ascendente, na sua maioria junto de novos empreendedores e pequenas empresas. E em breve, será apresentada a nova oferta de software empresarial inteligente para PMEs, o ROSE, com forte componente de Inteligência Artificial e Machine Learning.

Para os bons resultados contribuiu o crescimento de praticamente todas as empresas que constituem o Grupo. Destaque para a Valuekeep que registou forte crescimento, sobretudo no mercado espanhol, ajudando dessa forma a afirmar a vertente estratégica internacional do grupo. Por sua vez, a empresa de soluções de transações eletrónicas de documentos YET deu um grande passo na sua estratégia ao adquirir a Portugal Informático, o que permitiu reforçar a sua posição junto do setor público. 2019 foi também um ano de forte investimento, com a abertura de novos escritórios em Lisboa e Luanda, e a localização de um centro de Investigação e Desenvolvimento em Leiria, naquela que é uma das regiões mais industriais do país.

Em relação a 2020, Jorge Batista admite que será inevitável ignorar o impacto resultante da crise COVID-19 e, nesse sentido, não antecipa para este ano um crescimento idêntico ao conseguido em 2019. «A empresa e todos os seus parceiros estão focados em garantir aos seus clientes o melhor acompanhamento possível às dezenas de alterações fiscais e legais resultantes da resposta à crise, com especial relevância para as várias alterações à lei do lay-off, assim como às exigências da transição digital e do e-Business que ganharam nova importância para os nossos clientes», refere o responsável.


Publicado em:

Negócios

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados