Partilhe nas Redes Sociais

Startup portuguesa que criou torniquetes virtuais para as praias negoceia com 15 municípios

Publicado em 18 Maio 2020 por Cristina A. Ferreira - Ntech.news | 461 Visualizações

Nos últimos meses a startup portuguesa Smart City Sensor dedicou-se a usar know-how acumulado nos dois anos de existência do projeto para criar soluções que ajudem a responder aos desafios colocados pela Covid-19. Começou por criar uma câmara termográfica para monitorizar a temperatura corporal, que não chegou a comercializar e mais recentemente criou um Torniquete Virtual que está a negociar com 15 municípios, revela Pedro Bastos, CEO da empresa.

O sistema pretende ajudar a controlar o acesso às praias, mas também pode funcionar noutros espaços ao ar livre de aglomeração de pessoas, controlando virtualmente o número de acessos e gerando alertas quando a lotação do espaço está quase lotada ou completamente lotada, usando a mesma lógica de cores dos sinais de trânsito.

Como explica Pedro Bastos, o sistema não pretende impedir acessos, mas dar informação, que chega aos utilizadores através de um sistema de cores e aos responsáveis pela gestão dos espaços – autarquias, proteção civil, etc – através de alertas enviados por e-mail.

O controlo de acesso é feito a partir de radar bidirecional instalado nos locais a monitorizar. A informação gerada é carregada em tempo real para a cloud da Smart City Sensor e os sinais coloridos e alertas de e-mail desencadeados automaticamente, conforme as parametrizações definidas.

Pedro Bastos, admite que ainda não há negócios fechados, para já apenas negociações com 15 municípios onde as praias têm um papel de peso na economia. Na maior parte dos casos praias de mar, mas também há uma autarquia a considerar a utilização do sistema para controlar acessos em praias fluviais.

Enquanto as negociações decorrem, a startup está também a tentar uma parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente, propondo a integração dos dados gerados pela solução, idealizada antes de serem conhecidas as novas regras de acesso às praias, na aplicação Info Praia, para que os utilizadores possam conhecer o estado da lotação de cada areal antes de sair e casa.

A Smart City Sensor integra seis pessoas, na maioria engenheiros eletrotécnicos. Tem-se dedicado ao desenvolvimento de soluções para o rastreamento de veículos, configuração e gestão de hotspots, e de monitorização de dados ambientais através de sensores, refere Pedro Bastos. Esta última, é a área onde o responsável detalha mais projetos, referindo iniciativas prestes a concretizar – em Penafiel ou Paredes – e um projeto já em curso que tem a Câmara de Vila Nova Gaia como cliente.

A Smart City Sensor garante que se fechar os negócios que discute neste momento recorrerá o mais possível a hardware nacional para “empacotar” o sistema que desenvolveu e também assegura que tem condições para entregar a solução a tempo da abertura da época balnear.


Publicado em:

Startups

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados