Partilhe nas Redes Sociais

PUB

Vodafone traz Girls in STEM para Portugal

Publicado em 9 Fevereiro 2018 por Ntech.news - Ana Rita Guerra | 337 Visualizações

Depois um projeto piloto bem sucedido que terminou em dezembro, a Vodafone vai trazer para Portugal a Girls in STEM, uma iniciativa de formação em programação dirigida a jovens mulheres. A operadora pretende lançar 40 cursos desta natureza ao longo do ano em território nacional, sob o mote “Code Like a Girl.” A intenção é quebrar barreiras e ajudar a combater o desequilíbrio de género que existe nos cursos e profissões relacionadas com Science, Technology, Engineering e Mathematics (STEM). Em Portugal, o estudo “Benefícios do Ensino Superior” revela que existem mais mulheres no ensino superior, mas nas profissões STEM estão abaixo de um terço. Além disso, as mulheres pós-graduadas nestas áreas ainda ganham menos do que os homens pós-graduados em áreas não STEM.

«Nos últimos anos, temos assistido a avanços significativos na luta contra a disparidade de género global em vários aspetos da sociedade. No entanto, em muitos países, essa disparidade está a agravar-se nas carreiras STEM», diz Luísa Pestana, diretora de Recursos Humanos da Vodafone Portugal.

Várias empresas estão a lançar parcerias deste tipo para combater a disparidade, que a Unesco considera ser preocupante. O facto é que a participação feminina está a diminuir numa área que se encontra em expansão mundial – a programação é uma das competências profissionais mais requisitadas em todas as indústrias.

«O #codelikeagirl da Vodafone quer despertar o interesse das raparigas para um sector atualmente mais popular entre rapazes, ajudando-as a expandir as suas oportunidades e aumentar as suas opções de carreira no futuro», acrescenta Luísa Pestana.

O piloto realizado em 2017 foi feito em colaboração com a Happy Code e deu formação em programação a 23 alunas da Escola Secundária D. Filipa de Lencastre, em Lisboa. O objetivo foi ensinar os primeiros conceitos de programação e de base de dados às participantes num curso piloto de curta duração (12 horas). A experiência resultou no desenvolvimento de várias aplicações e jogos para telemóvel utilizando tecnologias disponível em qualquer telemóvel: sensores de proximidade, movimento, tempo e localização.

No global do ano passado, o Girls in STEM da Vodafone ensinou a programar cerca de 500 raparigas. Em 2018, a intenção é duplicar este número e chegar a 26 países.


Publicado em:

Talento

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados