Partilhe nas Redes Sociais

Lenovo investe mil milhões em iniciativas de inteligência artificial

Publicado em 20 Novembro 2017 por Ntech.news - Ana Rita Guerra | 444 Visualizações

Microsoft Inteligência artificial

A Lenovo está a apostar fortemente em tecnologias de inteligência artificial, associadas ao desenvolvimento dos seus supercomputadores. A empresa chinesa aumentou o investimento em novas iniciativas de pesquisa e desenvolvimento em inteligência artificial em mil milhões de euros e está agora a gerir três novos centros de investigação em IA – Morrisville na Carolina do Norte, Estugarda na Alemanha e Pequim, na China. Anunciou também a criação de uma comunidade de especialistas, parcerias com universidades e hardware e software virado para a era da IA.

«Com o nosso centro de inovação global de IA recém-inaugurado, proporcionaremos uma ampla gama de produtos e serviços com a qual ajudaremos a levar e a implementar os avanços da IA na vida real», explicou Kirk Skaugen, presidente do Data Center Group da Lenovo. O executivo acredita que a inteligência artificial já está a ter um impacto profundo nas estratégias comerciais tradicionais e na investigação científica. «Para realmente se tirar partido da grande quantidade de dados disponível no dia-a-dia, os nossos clientes devem adotar a IA como um veículo para atingir o sucesso dentro do mundo competitivo que predomina na atualidade», disse o responsável.

A Lenovo é uma das grandes protagonistas do Supercomputing 17, evento de supercomputadores que decorre esta semana em Denver. Foi lá que apresentou estas iniciativas ligadas à inteligência artificial, incluindo o Lenovo Intelligent Computing Orchestrator (LiCO), para a gestão de aplicações de IA, e novos GPUs para ThinkSystem SD530, que permitirão correr aplicações de IA, incluindo cargas de trabalho em escala.

Os centros de investigação foram concebidos para ajudar os clientes da empresa a descobrirem a forma como a IA pode ajudar a gerir grandes negócios ou desafios humanitários. Por exemplo, identificação de curas para doenças e compreensão das alterações climáticas. A empresa tem cerca de 100 cientistas especializados em dados e desenvolvimento de IA a trabalhar para criar soluções avançadas, como a função de analisar e detetar tumores através de imagens, ajudando os médicos a determinar o melhor tratamento. Os clientes da Lenovo poderão aceder aos serviços oferecidos pelo centro de inovação de forma remota e testar aplicações e cargas de trabalho dentro de uma variedade de sistemas.

Outra vertente da estratégia é a colaboração com universidades, tais como a NCSU (Carolina do Norte) e University College London (UCL).

«Acreditamos que as máquinas não substituirão os seres humanos e que permitirão aumentar e ajudar nas nossas ações em todos os aspetos da vida, uma visão a que chamamos de inteligência aumentada», sublinha Madhu Matta, vice presidente e diretor geral do departamento de IA e HPC da Lenovo DCG. «Trabalhar com IA é uma tarefa complexa. Requer uma potência de processamento significativa e um nível de conhecimentos técnicos que não costuma estar disponível nos nossos clientes», complementa. O que a Lenovo quer é ser reconhecida como a fornecedora de excelência nesta área, com uma oferta de hardware otimizada e implementação de soluções “end-to-end” apoiadas por serviço profissional especializado.


Publicado em:

Negócios

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados