Partilhe nas Redes Sociais

PUB

«… queremos crescer a três dígitos no mercado ibérico este ano e Portugal é uma das áreas de maior crescimento»

Publicado em 13 Maio 2020 por Ntech.news- Luísa Dâmaso | 232 Visualizações

Entre 2016 e 2018 o mercado ibérico não foi o principal alvo de maior investimento por parte da Nutanix, essencialmente porque o crescimento médio a três dígitos verificado nos restantes mercados de toda a EMEA (Europa, Médio Oriente e África) não se verificava em Portugal e Espanha. Este processo também foi influenciado pela evolução do próprio mercado, já que algumas soluções demoram um pouco mais a chegar a Portugal do que a outros países. No final de 2018, quando os ventos mudaram no mercado ibérico, o investimento da Nutanix em Portugal acentuou-se.

Em entrevista ao Ntech.news, Iván Menéndez, diretor-geral da Nutanix Ibéria, reconhece que todo o investimento feito até aqui tem dado frutos e espera colher dividendos durante os exercícios de 2019 e 2020, perspetivando um crescimento de três dígitos. Para isso, conta com uma «equipa fantástica» que ajudará a produzir bons resultados no mercado português nos próximos meses. Para além da equipa local, os produtos e serviços, serão também garante da sustentabilidade do negócio em Portugal.

Como está a Nutanix a desenvolver o negócio em Portugal?

Iván Menéndez  – A nossa estratégia para Portugal assenta em três pilares básicos: Aumentar e certificar um canal de parceiros revendedores adequado às necessidades atuais e futuras do mercado Português, bem como do suporte ao negócio apoiados pelos nossos distribuidores nomeado; Otimizar e aumentar a base de clientes locais nos mais diversos sectores da economia e do estado, suportados pelos nossos revendedores e distribuidores; Desenvolver a relação com os principais parceiros OEM e Aliança nas áreas de segurança  e proteção de dados e gestão da cloud.

Qual a percentagem de negócio que Portugal assegurou no volume de negócios da região Iberia?

Iván Menéndez  – Este rácio é muito variável e nem sempre significativo. Para mim o fator chave é o crescimento e, como já afirmei, queremos crescer a três dígitos no mercado ibérico e este ano Portugal é uma das áreas de maior crescimento.

Acreditamos que o futuro das infraestruturas de IT será simples e híbrido, ou seja, utilizaremos recursos distribuídos quer local quer remotamente, sempre disponíveis, a partir de qualquer dispositivo, em qualquer lugar.

Qual a base de clientes que possuem e de que tipo de empresas estamos a falar?

Iván Menéndez  – A nossa solução foi desenhada para todo o tipo de clientes desde as mais pequenas PME às maiores multinacionais nos mais diversos setores de atividade bem como infraestruturas públicas ou governamentais.

Futuro simples e híbrido

Com encara a actual situação que o país está a viver, nomeadamente as empresas, que certamente não terão dinheiro para investir em tecnologia nos próximos tempos?

Iván Menéndez  – Os vários setores, motores da nossa economia terão de repensar a sua oferta de produtos e serviços o qual, sem sombra de dúvidas, passará no suporte ao negócio, pela modernização e utilização de infraestruturas tecnológicas simples e eficientes. Nesta perspetiva a Nutanix quer diretamente quer através dos seus parceiros OEM tem também investido em modelos de subscrição e consumo que melhor se adequam às necessidades atuais e futuras das empresas. No que diz respeito à situação financeira atual no país, é esperado que existam incentivos por parte das entidades competentes. Em linha com essa expectativa a Nutanix tem também um programa internacional de incentivo e suporte ao seu canal de venda.

Considera que datacenters das empresas portuguesas já atingiram um nível de eficiência adequado aos desafios do mercado?

Iván Menéndez  – O IT em Portugal está ao nível das melhores práticas mundiais, temos em todos os setores empresas modernas e bem estruturadas e outras que necessitam de efetuar os investimentos adequados. O maior desafio para os nossos clientes continua a ser o de implementar uma infraestrutura baseada num modelo cloud on-prem, como alternativa às infraestruturas tradicionais ultrapassadas, difíceis de gerir e atualizar. Acreditamos que o futuro das infraestruturas de IT será simples e híbrido, ou seja, utilizaremos recursos distribuídos quer local quer remotamente, sempre disponíveis, a partir de qualquer dispositivo, em qualquer lugar.

Quais são as maiores preocupações que identifica nas empresas neste momento?

Iván Menéndez – As pessoas procuram soluções mais simples e práticas para ultrapassar as suas dificuldades. Estamos crentes na capacidade dos portugueses para se reinventar e modernizar. A modernização dos setores públicos e privados passa pela utilização de tecnologias de informação de última geração. A oferta da Nutanix é adequada ao desenvolvimento das infraestruturas de negócio em geral.

O que estamos a fazer hoje pode ser feito de forma mais simples e eficiente, no fundo tornar as empresas mais competitivas.

Que oportunidades identificam nas infraestruturas das empresas para serem exploradas pela Nutanix?

Iván Menéndez  – Na nossa perspetiva, as principais oportunidades são os seguintes casos de uso: Os ambientes de Trabalho Remoto (EUC/VDI/DaaS), a gestão de ambientes de Bases de dados, Suporte a ambientes de analítica e big data, Aplicações críticas para as empresas tais como os ERPs e CRMs, Aplicações nascidas na Cloud, Escritório Remotos (RoBo – Edge) e por fim os Ambientes de Desenvolvimento.

Em que sectores é mais necessário investir, para corrigir erros do passado, ou desvios de investimento para outras áreas?

Iván Menéndez – Em Portugal, achamos que em paralelo como setor do turismo deveria haver um maior investimento nos setores produtivos, não só primários, mas secundários e terciários que nos garantam um incremento do valor e do benefício da nossa oferta final. Deveria haver estímulos financeiros para que surjam investimentos em novos setores tecnológicos de ponta tais como a mobilidade, as energias renováveis, a educação e a saúde. Em paralelo deveríamos exigir uma renovação do setor público que o torne cada vez mais leve e eficiente suportado por uma menor carga fiscal para as empresas e os contribuintes.  

Planeamento, simplicidade e eficiência

Que soluções aponta como estratégicas para que as empresas possam recuperar a vitalidade da sua infraestrutura e consequentemente do negócio?

Iván Menéndez – Planeamento – Planear muito bem o que as empresas pretendem não apenas a curto prazo mas também a médio e longo prazo; Simplicidade – Simplificar processos e eliminar burocracias; eficiência – por forma a garantir a máxima eficiência há que questionar constantemente os procedimentos. O que estamos a fazer hoje pode ser feito de forma mais simples e eficiente, no fundo tornar as empresas mais competitivas.

A simplicidade, gestão fácil, controlo de custos poderão ser o gatilho de novos projectos virtualização para fazer face ao futuro?

Iván Menéndez – Sem dúvida que a simplicidade assim como o suporte ao cliente são peças fundamentais de toda a oferta Nutanix. Queremos que a experiência de utilização seja natural e diferenciadora. Apesar de não ter sido apresentada a solução Nutanix BEAM, é importante reforçar que esta é a oferta que visa responder aos desafios de controlo de custos e conformidade das clouds públicas e privadas.

O negócio da Nutanix é feito exclusivamente pelo canal?

Iván Menéndez – Correto, 100% do nosso negócio é efetuado pelo nosso canal de distribuidores e revendedores autorizados e certificados.

Qual a dimensão da rede de parceiros e como está hierarquizado o programa de parceiros?

Iván Menéndez  – Temos atualmente 25 revendedores divididos em três hierarquias: Pioneer, Scaler e Master; segundo as suas certificações e capacidade de execução de negócio.


Publicado em:

Na Primeira Pessoa

Partilhe nas Redes Sociais

Artigos Relacionados